Bolsa de Valores

Voltando a investir na bolsa de valores

Postado por Alessandro Martins em - Tudo sobre Bolsa de Valores

Estou voltando a investir na bolsa de valores.

Eu parei no final de 2008, logo depois da crise do subprime.

Como muitos que se iniciaram na bolsa em 2006 e 2007, no final de uma longa euforia de alta, eu me assustei bastante.

É comum que muitos iniciantes entrem na bolsa no final dos períodos de alta e levem tombos.

Felizmente, eu tinha investido uma parcela muito pequena de minhas economias. Mas o susto foi o suficiente. E olha que eu não cheguei a perder R$ 1.000.

Aquilo me fez perceber que a bolsa de valores não era o mar de rosas que me haviam pintado.

Desde então, eu estou só observando. Aprendendo. Num ritmo bem prudente.

Agora, depois de ler muito, assistir a muitos vídeos e analisar bem os riscos, estou voltando.

O que estou fazendo na bolsa de valores

Disponibilizei R$ 2 mil para aprender a investir no day trade, particularmente em minicontratos.

Neste momento estou só nos minicontratos futuros do Ibovespa.

É um investimento que, por ser alavancado, é arriscado.

O que significa isso? Você não precisa ter o valor integral do contrato, mas apenas uma parte desse valor que é depositada como margem de garantia.

Você só precisa, nos valores de hoje, uns R$ 400 para comprar ou vender um contrato. Um valor bem abaixo do que realmente vale um contrato ou mesmo um minicontrato.

Na proporção que, na posição que você assumiu, comprada ou vendida, for levando lucro ou prejuízo, essa margem vai sendo debitada, podendo chegar a 0 (zero).

No minicontrato de dólar, 1 ponto equivale a R$ 10. Caso você tenha comprado um minicontrato de dólar a 3890,00 e tenha vendido a 3890,50, você ganhou meio ponto. Ou seja R$ 5, pois cada ponto equivale a R$ 10.

No minicontrato de índice, 1 ponto equivale a R$ 0,20. Se você comprou um minicontrato de índice a 40.000 pontos e ele cair para 38 mil pontos em algum momento, é isso: você perdeu seus R$ 400. Perdeu tudo (isso sem falar no custo da compra e da venda do contrato; cada ordem custa em média R$ 1 por contrato negociado).

Ichimoku kinko hyo: coisa de japonês

Dito isso, considerando a alavancagem e a volatilidade do mercado de futuros, ter um bom gerenciamento de risco é até pouco.

Eu sei o máximo que aceito perder em um dia, o máximo que aceito perder em uma operação e, para mim, isso é inegociável.

Mas é preciso ter uma boa estratégia.

Para isso, estou contando com a ajuda da empresa educacional Equipe Trader e com a assessoria de seus agentes autônomos de investimento.

Pra começar, com ajuda deles e com o material por eles disponibilizado, estou começando a aprender a usar o ichimoku kinko hyo, um método de leitura de tendência inventado no Japão na década de 30.

Sim, é uma metodologia de análise técnica, ou grafista: a partir dos gráficos, médias de preço e candles, você consegue estimar estatisticamente o momento certo de comprar, vender e sair da operação.

Em breve também farei o curso com o professor Eduardo Matsura, a maior autoridade brasileira na leitura desse sistema.

Robôs de investimento: eles fazem tudo e você só assiste

Outra coisa com a qual estou me familiarizando: robôs de investimento.

Você programa o robô e ele faz as entradas (comprado ou vendido) e as saídas da operação.

Se você deixar ele operando na nuvem, isto é, num computador remoto que você pode usar gratuitamente na Amazon durante um ano, não precisa nem desligar e ligar sua máquina.

Claro, não basta apenas botar seu robô para funcionar. É preciso programar um setup com parâmetros de qualidade.

Você pode fazer isso sozinho, como seus conhecimentos de análise técnica e testar a estratégia em minutos, com ajuda dos dados de pregões anteriores.

No meu caso, estou contando com a ajuda do Joel Farináceo, da Equipe Trader, que envia semanalmente setups otimizados.

Nem sempre o robô fará operações vencedoras. O mais importante é que, quando ele vier a perder (isto é, quando o stop da operação for acionado), ele perca pouco e, quando ganhar, ganhe bastante.

No caso, estou usando um robô que utiliza o ichimoku kinko hyo.

Vamos então voltando, vamos devagar, vamos com calma e aprendendo. Desta vez com mais recursos e mais apoio.

E, claro, o Iniciante na Bolsa está de volta!

Artigos Relacionados

Gostou? Comente, compartilhe e participe.