Bolsa de Valores

Investindo em Títulos da Dívida Pública 3: os primeiros passos

Postado por Alessandro Martins em - Outros investimentos

Este artigo faz parte da série Investindo em Títulos da Dívida Pública.

Leia também:

Segundo o site do Tesouro Direto, para investir em Títulos Públicos você precisa preencher os seguintes requisitos:

Podem investir no Tesouro Direto todos os residentes no Brasil que possuam Cadastro de Pessoa Física (CPF) e estejam cadastrados em alguma das Instituições Financeiras habilitadas a operar no Tesouro Direto.

Vejamos:

  • Residir no Brasil… fácil.
  • Ter CPF… fácil.
  • Cadastrar-se em uma instituição financeira habilitada a operar no Tesouro Direto… hmm… isso merece uma explicação.

Que instituições são essas? Bancos e corretoras. De repente, você já é correntista de uma e não sabe.

É recomendável que você escolha uma instituição cuja a taxa de administração seja menor que 0,5% para que no final – somadas a taxa de administração, mais taxa de custódia, mais imposto de renda -, você obtenha um custo vantajoso.

Como eu fiz para investir em Títulos Públicos

Eu procurei na lista que linkei acima e descobri que tanto a Caixa Econômica Federal, em que sou correntista, como a Planner, corretora através da qual invisto na Bolsa de Valores, são credenciadas.

Fui até o gerente de minha conta, o competente e organizado Ideraldo, na Caixa, e ele me explicou tudo.

A compra é feita em uma página específica do site do Tesouro Direto. Se você é curioso e clicou no link, vai notar que ali há um espaço para preencher com seu CPF e com uma senha. Mas que diabo de senha é essa?

É uma senha que você ganha, enviada por email pelo Tesouro Direto, assim que seu gerente – ou o encarregado disso na instituição financeira – fizer o seu cadastro no programa. Ao entrar no site, você precisa mudar essa primeira senha e, pronto, você já pode começar a comprar os títulos que lhe interessam. Mas, calma. Não faça nada ainda, que eu não acabei de explicar.

No caso da Caixa, eu precisei abrir uma conta de investimento, vinculada à minha conta corrente. Possivelmente, seu banco tenha um procedimento diferente. Depois disso, sempre que eu comprar títulos através da Caixa, os valores são debitados dessa conta de investimento.

O passo seguinte foi ligar para a Planner e dizer que eu queria investir uma parte do dinheiro da minha conta com eles no Tesouro Direto. Como meu CPF já estava cadastrado, no dia seguinte, a opção de investir através da Planner apareceu no site.

Nas próximas partes desta série eu falarei sobre títulos pré e pós-fixados e suas outras subdivisões, as vantagens e características de cada tipo de título e prazos, bem como se dá o processo de compra e venda desse tipo de investimento. Não perca.

Artigos Relacionados

Gostou? Comente, compartilhe e participe.