Bolsa de Valores

Fundo de ações ativos ou passivos? E qual a diferença?

Postado por Alessandro Martins em - Tudo sobre Bolsa de Valores

A diferença entre um fundo de ações passivo e um fundo de ações ativo é muito simples.

Mas, antes, você precisa saber o que é um fundo de ações.

Segundo a definição do dicionário para iniciantes da Bovespa, um fundo de ações é:

Fundo de investimento cuja carteira de títulos e valores mobiliários mantém aplicações de, no mínimo, 80% em ativos relacionados diretamente, ou sintetizados via derivativos, no fator de risco que dá nome à classe, ou seja, variação de preços de ações admitidas à negociação no mercado a vista de bolsa de valores ou entidade do mercado de balcão organizado. O fundo deve possuir, no mínimo, 67% da carteira em ações admitidas à negociação no mercado a vista de bolsa de valores ou entidade do mercado de balcão organizado.

É, portanto, um fundo de investimento do qual você, como investidor, compra cotas e a totalidades dessas cotas é composta por pelo menos dois terços de ações.

É uma imensa e bem regulamentada “vaquinha” – em que muitas pessoas físicas e jurídicas colocam seu dinheiro – administrada por uma corretora ou por um banco. Você não precisará se preocupar em quando comprar ou quando vender ações.

Porém, que fique claro: você, ao investir em um fundo, não compra exatamente ações. Compra cotas. Ao vendê-las, saindo do fundo, independentemente do valor ou do lucro ao final do período, pagará 15% de Imposto de Renda sobre o lucro.

Qual a diferença entre fundos ativos e passivos?

Voltemos ao dicionário da Bovespa:

Fundos ativos: Fundo de investimento que busca alcançar lucratividade superior ao benchmark indicado (IBovespa, IBA etc).

Isso quer dizer que o gestor do fundo – banco ou corretora – escolherá ações ou outros investimentos com a intenção de superar determinado índice, obtendo assim um melhor desempenho.

Fundos passivos: Fundo de investimento que busca replicar a lucratividade do benchmark indicado (IBovespa, IBA etc)

Isso significa que o gestor do fundo vai tentar reproduzir o desempenho de determinado índice. Se o Ibovespa subir 134% em um ano, o fundo também o fará. Se cair 247%, o fundo também sofrerá a queda.

Então, fundos ativos vão me dar mais lucros?

Nem sempre.

Li um artigo no CHR Investor que mostra que a relação entre fundos ativos e passivos não é bem assim.

Normalmente os fundos ativos possuem um custo maior na taxa de administração e performance. Por isso, é de se esperar que estes fundos tenham uma performance melhor do que os passivos. Porém não é isso que estudos americanos demonstram. No longo prazo, são raros os fundos, com gestão ativa, que superam o desempenho dos índices acionários.

Uma das explicações para tal fato é que esses índices são números puros, sem a dedução de qualquer custo, enquanto os fundos têm custos operacionais, que são deduzidos do seu desempenho final. Os custos de performance e corretagem são de difícil quantificação para os investidores. Na gestão ativa de fundos de ações, a corretagem tem maior presença, devido à maior troca de ativos, quando comparada à gestão passiva.

Claro que as duas opções têm a comodidade de se investir sem ser necessária a preocupação de se acompanhar o mercado. Porém, considerando que você deixará seu dinheiro para que terceiros cuidem dele, as duas me parecem passivas, no sentido exato da palavra.

Não tenho nenhuma experiência com fundos. Portanto não sei se com a bolsa em queda é possível obter lucro com alguma das duas opções.

Porém, sei que isso é facilmente obtido com operações na venda – ou mesmo no mercado de opções – quando o próprio investidor cuida de suas posições na Bolsa de Valores.

Artigos Relacionados

Gostou? Comente, compartilhe e participe.