Ciclos do Mercado.

O mercado de ações vive de ciclos, é fácil de perceber isso através de algumas teorias, como por exemplo a contagem das Ondas de Elliott. Porém não é necessário ser um grande conhecedor de teorias. Apenas verifique os movimentos que tivemos entre os anos de 2002 e 2008, onde ações de boas empresas tiveram valorização de mais de 1000%.  Esse movimento se repetiu aos longos das ultimas décadas que antecederam esse ultimo ciclo de alta, isso comprova a existência de ciclos.

Disse tudo isso para que fique claro que o mercado passa por momentos (ciclos) e sempre devemos respeitar o seu momento, não adianta ficarmos forçando operações, querendo ver o mercado subir, pois ele tem vida própria.

Se agirmos assim, corremos o risco de desgastarmos nossa mente e nosso patrimônio.

Cadastre-se, e assista uma aula gratuita agora, não perca tempo! Clique aqui.

Mercado acionário

Falar de mercado de ações ou mercado acionário, hoje em dia, é quase que obrigatoriamente falar de bolsas de valores. Acaba que a maior parte dessas transações acontece nas bolsas de valores atualmente. Mas isso não seria, em tese uma obrigatoriedade.

Segundo a Wikipedia:

mercado de ações é um ambiente público e organizado para negociação de alguns títulos mobiliários (ações, opções de ações etc.). As transações podem ocorrer por intermédio das bolsas de valores ou nos chamados mercados de balcão (mercados em que são comercializados títulos não negociados em bolsas, dentro das normas legais previstas em lei e regulamentos, sem coordenação de entidades privadas de autorregulação).

No Brasil, porém, ao falarmos de mercados de ações ou acionário, lembramos imediatamente da BM&FBovespa (Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros). Todas essas negociações acontecem ali. E, por outro lado, se eu, você uma uma pessoa jurídica queremos investir no mercado acionário, precisamos contar com o intermédio de uma corretora de valores.

Todo esse mercado acionário, no nosso país, é regido pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Essa autarquia especial, ligada ao governo federal, fiscaliza, coordena e promove o mercado de valores mobiliários.

Mercado Acionário

Quer aprender a investir no mercado acionário?

Companhia Brasileira de Distribuição posicionada para sobrepor-se no mercado com as últimas aquisições e forte crescimento orgânico

Este artigo foi escrito pelo articulista convidado João Lima, do site Melhores Ações.

A economia do Brasil expandiu 8.8% no segundo trimestre de 2010, depois de crescer 9% nos primeiros 3 meses, de acordo com um relatório recente do governo. Alem disso, o governo brasileiro revisou em alta as perspectivas para o crescimento do PIB em 2010. A economia do Brasil deve expandir 7.34% este ano, desde a previsão de uma semana atrás 7.09%. os preços ao consumidor devem subir 5.03 % nos 12 meses adiante se comparado a previsão de uma semana atrás de 4.99 % .

Crescimento do PIB do Brail por trimestre de 2008 a 2010 em %(Q=Trimestre):

O ministro das finanças do Brasil espera que haja um crescimento no PIB do Brasil de 5.7% ao ano até 2014, um aumento considerável se comparado a estimativa prévia de 5.5%. Analistas consultados pela Bloomberg esperavam que a economia do Brasil expandisse 8% no segundo trimestre(Q2) de 2010.

Seguindo o crescimento econômico, Pesquisas e Mercados previu que as vendas a varejo poderiam crescer de $1,256 bilhões de reais em 2010 a $1,820 bilhões até 2014. A previsão para o PIB per capta cresça até 38.1% até o final de 2014, chegando a $13.180,00. A previsão é que o consumo per capta tenha um crescimento de $6.080,00 em 2010 para $8.609,00 em 2014 .

O salário mínimo brasileiro subiu 26% entre 2003 e 2006, e em 2010 o salário brasileiro médio anual deve chegar a $10,554 dólares. Os estilos de vida das classes A e B cada vez mais espelham os seus primos em países desenvolvidos conforme poder de compra em geral continua a crescer. A emersão de uma nova classe média mais baixa com mais entradas oferece altos potenciais para varejistas. O acesso mais fácil ao crédito também aumentou as oportunidades para os consumidores e negócios no Brasil. Foi predito pelo Euromonitor que em 2015 7.5% dos lares brasileiros podem chegar a ter uma renda disponível anual de mais $15,000 dólares.

De acordo com a empresa Research and Markets sub setores de varejo devem mostrar um forte crescimento sobre o Período incluem comida e bebida, com vendas projetadas para crescer de $205 bilhões em 2010 para $292 bilhões em 2014, um crescimento de 42.0%.

A franquia de supermercados Companhia Brasileira de Distribuição (NYSE: CBD; BOVESPA: PCAR5) deve se beneficiar do crescimento acelerado do país. Tendências positivas na base do crescimento econômico, uma enorme e crescente população e aumento da renda disponível são fatores chave por detrás do crescimento previsto nas vendas a varejo do Brasil. Acesso mais fácil ao crédito e a emergência de uma classe media mais rica são suscetíveis a aumentar o valor do segmento varejista nos próximos cinco anos.

A Companhia Brasileira de Distribuição(CBD) opera uma rede de cerca de 1,100 lojas com uma área total de 1.8 milhões de m2; incluindo a rede Pão de Açúcar, CompreBem, Sendas; Extra hipermercados e lojas de conveniências; Eletro e Ponto Frio; e websites de comércio online. A empresa é líder de vendas a varejo no Brasil com uma receita 23.3 bilhões em 2009.

No segundo trimestre de 2010, as vendas brutas da Companhia Brasileira de Distribuição(CBD) aumentou para 38.5% sobre o mesmo Período do ano passado BRL$7,815.4 milhões, enquanto as vendas liquidas subiram 39.4% para $6,977.9 milhões. A aquisição da Ponto Frio em Junho de 2009 e a junção com as Casas Bahia em Dezembro de 2009 contribuiu decisivamente para o crescimento espetacular das receitas em 2010. Além disso, a Companhia Brasileira de Distribuição(CBD) abriu 22 novas lojas em 2010. Estas operações completentaram o posicionamento da CBD no seguimento de bens duráveis, permitindo que a companhia sirva uma maior gama de consumidores. A empresa capiturou sinergias e é capaz de oferecer melhores serviços e uma série de benefícios aos consumidores, incluindo maior diversidade de produtos, preços mais atrativos e acesso mais fácil ao crédito.

Nos mesmos termos de loja(por exemplo, lojas que tem estado em operação por pelo menos 12 meses, logo, excluindo as lojas Ponto Frio), as vendas brutas cresceram 9.9%, dando um real crescimento de 4.6% quando deflacionado pelo índice da inflação.


O lucro líquido totalizou $82.5 milhões no trimestre, com uma margem liquida de 1.5%, impactada por parcelamento de impostos não recorrentes. Excluindo estes efeitos, a receita liquida ajustada veio a $127 milhões, com uma margem de 2.3%.

A empresa está planejando completar a integração de bens adquiridos durante 2010 e substancialmente acelerar a expansão orgânica com a recuperação dos gastos do consumidor no Brasil. Alem disso, a CBD está implantando uma reviravolta nos ativos da Ponto Frio e garantem uma forte recuperação de vendas. Os primeiros seis meses de 2010 estão confirmando que a CBD está se movendo na direção certa e com um melhor gerenciamento das despesas ela pode relatar maiores lucros até o final do ano.

12 analistas entrevistados por Thompson esperam que a CBD relatar um crescimento da receita de 32% em 2010 para 30.8 bilhões e 31% em 2011 para 40.3 bilhões. Além disso os ganhos por ação aumentaram moderadamente por 3.4% em 2010 para R$2.40 e em 35% em 2011 para R$3.23.

A CBD estava sendo negociada a R$62.4 como em 6 de Setembro; subindo 11% desde a baixa de R$56.15 de 4 de agosto. Conforme a economia do Brasil melhora mais rápido do que o mercado previa a Companhia está posicionada para vencer as estimativas consensuais.

Alerta no sinal de crash

Este artigo foi escrito pelo articulista convidado Marco Antônio Leonel Caetano, professor do Insper e autor do site Mudanças Abruptas, e é de sua responsabilidade. O artigo completo, com tabelas e gráficos, está disponível aqui.

Não será apenas uma correção. Gostaríamos que fosse apenas mais uma correção natural do Ibovespa, que não houvesse desemprego nos EUA, que a economia mundial estivesse crescendo. Mas nãos será correção. As notícias no Brasil estão “brandas” e iludidas pelo crescimento do país. Estamos crescendo pela força de nossas empresas, da agricultura, do esforço de alguns setores importantes, mas sobretudo por falta de opção mundial. Falta de opção quando nos referimos aos especuladores em busca de ganhos rápidos e não dos investidores de longo prazo.

O aporte no país do investidor de longo prazo é importante para manter o emprego, a renda e a estabilidade econômica. O grau de investimento adquirido pelo país foi um importante sinal aos bons investidores, mas também aos especuladores de curta permanência. Não que isso seja de todo mal, mas muito especulador de curto prazo cria essa sensação no Brasil que o mundo não está em crise, ou ainda que estamos “fora” da crise.

Segunda-feira (09/08/2010) nosso índice de crash atingiu um valor muito próximo dos dias da grande queda de 2008, com valor de 0,93. A explicação técnica pode ser encontrada na página principal do site (“Explicação IMA“). Esse valor dá uma garantia que estamos próximos de uma reversão muito mais forte do que apenas uma correção. O sentido de “mais forte” significa mais de 10% de queda para os próximos dias ou no máximo semanas.

Confundido com análise técnica, muitos leitores carinhosamente quando nos escrevem perguntando algo, sempre usam da afirmação “o que sua análise técnica diz agora…” ou “você que gosta de análise técnica…”. Cabe lembrar que o índice de mudanças abruptas nada tem de semelhança com as análises técnicas tradicionais (média móvel, estocástico, IFR, etc.) pois ele não se baseia em padrão gráfico anterior para obter seu valor. O índice de crash é baseado na análise wavelet que depende das frequências amostradas, ou seja, o espectro de medida não é no tempo como todas as análises técnicas fazem. Um sinal de celular procura o sinal da antena pela frequência mais forte e não por dados anteriores no tempo. Um sinal de televisão só consegue capturar imagem pois procura frequências. Um sinal de rádio FM também procura frequências. Assim, o sinal de crash procura frequências rápidas que em grande quantidade fazem a tendência do mercado mudar. Essas altas frequências (ou frequências rápidas) estão relacionadas, por exemplo, com notícias contraditórias.

Em 2007 o sinal foi usado pela primeira vez na forma em que está para o Hang Seng Chinês. A previsão de grande virada do Hang Seng ocorreu uma semana antes da primeira grande queda de 4% em Novembro de 2007. Dos 33 mil pontos na época até hoje, o Hang Seng não voltou mais a esse patamar. Quando todos publicavam artigos que o céu era de brigadeiro, alertamos que ia ocorrer uma grande virada no mercado.

Bom, mas “achismo” todo mundo tem liberdade de fazer. No entanto, o índice de crash foi publicado duas vezes em revista internacional (Physca A) da Elsevier com crivo de pesquisadores (sempre em número de 3) internacionais. Um deles, por coincidência era diretor da Sociedade Suíça de finanças. Significa que não é apenas dizer que um índice funciona, mas provar estatísticamente o quanto funciona para observadores acadêmicos internacionais.

Após a publicação em 2007 e início de 2008, o índice começou a acompanhar diariamente o Ibovespa.